SARGENTO GARCIA

Tensão sexual entre opressor e oprimido, em Sargento Garcia.
por Daniel Monteiro

1. Análise Estrutural

Título: Sargento Garcia, de Tutti Gregianin, 2000, 15 minutos, cor.

Gênero: Drama (Obra baseada em conto homônimo de Caio Fernando Abreu)

Elenco e personagens: Marcos Breda (Sargento Garcia), Gedson Castro (Hermes), Antônio Carlos Falcão (Isadora).

Sinopse: Hermes é um jovem imaturo e inexperiente, que sonha em fazer faculdade de filosofia, mas quando ele vai se alistar ao exército ele percebe que a rigidez e autoritarismo do Sargento Garcia esconde uma forte pulsão sexual por jovens “diferentes”.

2. Análise Significativa

Inspirado no conto homônimo de Caio Fernando de Abreu, foi identificado no curta, Sargento Garcia, três representação de personagens homossexuais na figura de Hermes, um jovem estudante da classe média, o próprio Sargento Garcia, figura de autoridade e rispidez e Isadora, um travesti que retrata o esteriótipo da bicha velha, extravagante.

No início do filme, Hermes está numa apresentação coletiva ao serviço militar. Todos nus os jovens se mostram bastante desconcertados com a situação. Destraído, Hermes, perdido em pensamentos, que são mostrados ao longo do filme em flashbacks, não percebe que o Sargento Garcia o chama. Quando o Sargento Garcia perde a paciência e grita: “Quem é esse Lorpa?”, Hermes percebe que o grito foi com ele. A partir daí começa um jogo entre opressor e oprimido, que por trás de um aparente tom de humilhação e autoritarismo, o militar esconde uma tensão sexual. Para deixar claro esse jogo, Garcia diz para o garoto a limitar a responder “sim, meu sargento” ou “não, meu sargento” às perguntas propostas. Assim, todo o diálogo é dominado pela autoridade militar, que começa a sondar o garoto:

SARGENTO GARCIA
Rapazinho delicado é? Educado é?

HERMES
Se eu te pego num cortado bravo, tu vai ver o que é bom prá tosse, ô perobão.

SARGENTO GARCIA
Sentido!
Então, tu que é o tal Hermes?

Sim, meu sargento.

SARGENTO GARCIA
Tem certeza?

HERMES
Sim meu sargento!

SARGENTO GARCIA
De onde é que tu tirou este nome?

HERMES
Não sei meu sargento.

A partir desse ponto, fica claro que há uma tensão sexual entre os dois disfarçada de autoritarismo. Por mais que os personagens não apresentam gestualidade delicada, embora Hermes mostre ser um rapaz tímido, o que fortemente indica essa tensão entre os dois é o fato de que ao mesmo tempo que o sargento marca terreno entre os jovens mostrando agressividade na fala, exigido pela farda, ele se aproxima fisicamente de Hermes e dá uma bafora no rosto no rapaz.

A violência verbal desnorteia Hermes, que já estava certo que iria ser dispensado do serviço militar, por que o pai dele era amigo de um médico militar, que iria vialibizar a dispensa do serviço militar, no mínimo, por motivo de doenças. Durante as perguntas o sargento descobre que Hermes pretende fazer vestibular para filosofia, e é nesse ponto que ele tem certeza que o garoto é diferente dos demais. Nesse ponto, o Sargento Garcia ressalta a importância do estudo para quem não quer ficar “comendo bosta no campo”, assim, a agressividade antes voltada para Hermes é transferida para os demais.

Na saída do quartel o Sargento Garcia oferece uma carona para Hermes, durante a conversa no carro a dureza de antes dá espaço a uma cordialidade, os diálogos surgem mais amenos, os dois se entendem e vão a um conhecido bordel de Garcia. Já no bordel é que nos é apresentado a terceira personagem homossexual do curta: o travesti Isadora. Embora até aqui os personagens tenham sido representados sem a gestualidade delicada, roupas arrojadas ou ações suaves, típicas dos esteriótipos do homem gay efeminado, esse novo personagem mostrado com sendo uma oposição ao que já foi visto. Isadora é uma caricatura da dica gay. Isadora leva os rapazes ao quarto e lá o sargento assume mais uma vez o papel de dominador. A tensão sexual anterior se concretiza entre os dois. A partir desse ponto Hermes é desvirginado e passa a ter coragem para assumir as suas opções de vida.

3. Considerações Finais

O filme apresenta para ao público três representações do personagem homossexual: o militar durão, o jovem inexperiente, e o travesti afetado. A preocupação intenção em contribuir para uma reeleitura da obra de Caio Fernando de Abreu vez com que a obra ganhasse uma dimensão ímpar, onde o equilíbrio das atuações, a tensão dos diálogos tratasse o tema de forma natural e sem trazer em si um teor pejorativo.

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.